Planos de saúde não são os que mais recebem reclamações, diz Abramge

 

Revista Apólice - Jamille Niero - 30/01/2012

 

Um comunicado divulgado na segunda-feira (30) pela Abramge (Associação Brasileira de Medicina de Grupo) informa que os planos de saúde não estão entre as empresas que mais recebem reclamações de consumidores.

 

Segundo o comunicado, a informação é do Sindec (Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor), publicada em seu Boletim Anual.

 

Conforme dados do boletim, que reúne Procons de 24 unidades federativas e de 138 municípios, num total de 1.538.483 atendimentos feitos durante todo o ano de 2011, as reclamações contra planos de saúde ocupam o 16º lugar entre os assuntos mais demandados, com 1,25% daquele total de reclamações.

 

Ainda segundo o boletim nacional dos Procons brasileiros, os assuntos mais reclamados são financeiros, de telecomunicações e alguns produtos - como aparelho celular, computadores, DVDs, móveis e eletrodomésticos.

 

De acordo com a Abramge, em 2011 foram feitas aproximadamente 254 milhões de consultas médicas a beneficiários na saúde suplementar. Além das consultas, ainda foram feitos 517 milhões de exames complementares, 75 milhões de terapias, 38 milhões de outros atendimentos ambulatoriais e 6,3 milhões de internações, totalizando 890,3 milhões de procedimentos.

 

"Portanto, se compararmos o número total de procedimentos do último ano na Saúde Suplementar com aquelas reclamações do mesmo período, verificamos que o volume de notificações aos Procons de todo o País equivale a 0,002% dos atendimentos da Saúde Suplementar, ou seja, 2 reclamações para cada 100.000 procedimentos", explica a Abramge no comunicado.