12 mil pessoas aderem a planos de saúde no Ceará

Diário do Nordeste - 20/10/2016

Mais de 12 mil pessoas entraram para a lista de clientes dos planos de saúde no Ceará entre agosto e setembro, de acordo com dados divulgados pela Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS). O número representa um acréscimo de cerca de 1%, deixando o Estado com um total de 1.253.195 beneficiários em um movimento avesso ao visto no restante do País, cujo número em questão perdeu 2.015 clientes asseguradas no período, ao chegar ao nono mês do ano com 48.301.667 vidas.

O número de beneficiários em planos coletivos ainda é o maior no Ceará, segundo o mesmo levantamento, e chega a 870.149, dos quais 752.393 correspondem a contratos coletivos empresariais, outros 117.733 a coletivo por adesão e 23 não identificados. A quantidade de planos individual ou familiar são de 381.371.

A taxa de cobertura no Ceará foi medida em 14,56% do território a partir da ação de 826 operadoras em atividade, das quais apenas 330 destas empresas estão ativas, com beneficiários.

Receita de R$ 2,4 bilhões

Todo mercado cearense de saúde complementar movimenta, atualmente, conforme os dados divulgados pela ANS no balanço de setembro, R$ 2,43 bilhões em receita de contraprestações, enquanto outras receitas operacionais somam R$ 151,19 mil. A despesa assistencial medida chega a marca de R$ 1,80 bilhão. Já as despesas administrativa e de comercialização correspondem a R$ 327,19 mil e R$ 115.25 mil, respectivamente.

A taxa de sinistralidade foi revelada e corresponde a 72,4%.

Demandas do consumidor

No que diz respeito às principais demandas dos consumidores para com as operadoras de planos de saúde, a ANS diz que a busca por informação (548 contatos realizados entre agosto e setembro) foi a mais demandada. Em seguida vem as reclamações, cujo número no mesmo intervalo de tempo foi de 181.

Dentre as reclamações, os motivos do contato entre as partes seguem a seguinte ordem: cobertura (134), contratos e regulamentos (34) e mensalidade e reajustes (13).

Crescimento no Nordeste

"Em setembro, o número de consumidores em planos de assistência médica se manteve praticamente inalterado. Isso mostra um sinal positivo que foi percebido também no Nordeste do País", afirma a presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), Solange Beatriz Palheiro Mendes.

Ela refere-se ao movimento constatado na Região. Dos nove estados nordestinos, apenas um deles, o Piauí, apresentou recuo no número de beneficiários entre agosto e setembro deste ano, de 0,02% ou cerca de -62 vidas. O destaque foi da Paraíba, que apresentou a maior expansão, de 1,59% ou 6.684 beneficiários a mais entre os dois últimos meses deste ano.

Em números absolutos, o Ceará continua como o terceiro maior mercado do Nordeste em relação ao número de vidas associadas a planos de saúde, atrás de Bahia (1.617.680) e Pernambuco (1.365.995).

Análise do cenário

Para a presidente da FenaSaúde, "a evasão de beneficiários de planos de saúde é consequência direita da retração da atividade econômica do país. Mesmo sendo mais resiliente, o setor de saúde suplementar vem sentindo os impactos da crise, como outros segmentos da economia".

Solange Beatriz ainda observa que "o número de beneficiário está, evidentemente, muito associado ao comportamento da economia, à geração de emprego formal e renda da população", todos indicadores abalados. "Entretanto, depois de 14 meses consecutivos de queda, o número de beneficiários de planos de saúde voltou a registrar, em agosto, uma leve alta, fechando o mês em 48,3 milhões de vínculos – acréscimo de 32.148 beneficiários em relação ao mês anterior, de acordo com dados divulgados pela ANS", detalha.