Empresas estendem plano de saúde a mais categorias funcionais

VALOR - Letícia Arcoverde

O plano de saúde é o benefício que mais deve ocupar a atenção dos gestores de recursos humanos no próximo ano, segundo o diretor de benefícios da consultoria Aon Hewitt, Humberto Torloni. Além de novas regras da Agência Nacional de Saúde gerarem dúvidas e suscitarem polêmicas entre as operadoras de saúde suplementar e as empresas que fazem uso dos planos, o serviço está sendo cada vez mais requisitado por trabalhadores, inclusive em áreas onde ele é novidade.

De acordo com Torloni, o aumento de 24% no número de segurados nos últimos cinco anos é prova de que o benefício deve ser destaque entre os pacotes das empresas, apesar das regulamentações da ANS ameaçarem aumentar os custos. "Hoje, categorias funcionais como a área da construção civil, que não tinham acesso a plano de saúde, estão exigindo o benefício", explica. Segundo pesquisa anual da Aon Hewitt, divulgada hoje, o custo médio mensal das empresas com os seguros saúde aumentou 9,11% entre 2010 e 2011.

De acordo com o levantamento, 99% das 291 empresas que participaram da pesquisa oferecem plano de saúde aos funcionários. Cerca de 40% custeiam inteiramente o benefício e 45% usam o sistema de coparticipação. Para executivos que ocupam cargos de diretoria e presidência, 44% das companhias oferecem checkup no pacote de benefícios e 33% também o fazem para gerentes de primeira linha, que respondem diretamente aos diretores. O custo médio desse benefício é de R$ 2.501,58.