Crescimento de despesas assistenciais supera o das receitas, diz FenaSaúde

SEGS Notícias - Rafael Maia - 23/09/2014

Reservas técnicas somaram, até junho, R$ 12,3 bilhões

Levantamento da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) com base em dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aponta que, no primeiro semestre deste ano, a expansão das despesas assistenciais das associadas à entidade foi de 20,5% em relação ao mesmo período de 2013, chegando, em 2014, a R$ 19,8 bilhões.

As receitas com mensalidades das associadas à Federação cresceram em ritmo inferior ao das despesas assistenciais. No mesmo período, receitas aumentaram em 17,2% somando, no primeiro semestre de 2014, R$ 23,8 bilhões.

A expansão mais acentuada das despesas assistenciais tem relação com a crescente incorporação de novas tecnologias médicas – uma decisão, em muitos casos, feita de forma acrítica –, com o aumento do custo de materiais e medicamentos e também com a judicialização, frequentemente garantindo a um bom número de beneficiários de planos de saúde procedimentos que, por sua livre escolha, não foram contratados ou que não estão previstos em normas da ANS, concessões que geram desequilíbrio nas contas do setor – afirma Sandro Leal Alves, Gerente-geral da FenaSaúde.

As 26 operadoras de planos e seguros de saúde afiliadas à FenaSaúde haviam constituído R$ 12,3 bilhões em reservas técnicas até junho de 2014. O montante equivale a 48,7% do total de reservas de todo o setor de Saúde Suplementar, embora as associadas à Federação detenham 37,3% dos beneficiários desse mercado.

Estes recursos são constituídos ao longo dos anos e devem ser mantidos pelas operadoras, obrigatoriamente, para garantir a solvência – a capacidade de pagamento de todos os compromissos assumidos com os beneficiários.