Com 25 milhões de beneficiários, líderes de planos de saúde avançam 8,4%

Segs Notícias - 27/02/2013

Dados são do último Boletim Econômico Financeiro da FenaSaúde, lançado dia 26 em São Paulo
 
Enquanto o mercado de saúde suplementar brasileiro evoluiu 5,3% de setembro de 2011 ao mesmo mês de 2012, as 29 empresas associadas à Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) tiveram um crescimento de 8,4% no número de coberturas no mesmo período. As empresas encerraram o terceiro trimestre com 25 milhões de beneficiários, 37,2% do total de pessoas assistidas no país. Embora a maior parte da cobertura seja para planos de assistência médica (14,8 milhões), os planos exclusivamente odontológicos (10,2 milhões) foram responsáveis pelo maior índice de crescimento: 14,3%.
 
Chama a atenção o fato de o desempenho positivo do mercado de Saúde Suplementar ter ocorrido em cenário de baixo crescimento da economia brasileira. No terceiro trimestre de 2012, foi registrado um incremento de apenas 0,9% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, frente mesmo ao trimestre do ano anterior. No mesmo período, porém, os planos médicos avançaram 2,9% e os odontológicos, 12,1%, resultando no crescimento conjunto de 5,3%, citado acima.
 
De acordo com o diretor executivo da FenaSaúde, José Cechin, os resultados se devem à expansão da demanda doméstica e da política fiscal pautada no incentivo ao consumo, impulsionando assim o setor de serviços, que requer mais mão de obra por unidade de produto que o setor industrial. “O elevado nível de emprego e o crescimento dos salários acima da inflação, um reflexo da expansão nos setores de comércio e serviços, permitiu o crescimento da taxa de cobertura por planos de saúde”, aponta o executivo.
 
Nos últimos 12 meses encerrados em setembro de 2012, em todo o mercado, os beneficiários dos planos de assistência médica cresceram em maior velocidade em direção ao Centro-Oeste, Nordeste e Norte, com aumentos de 11,2%, 7,4% e 5,1%, respectivamente. No Sudeste, foi registrado aumento de 2%, enquanto a Região Sul apresentou redução de 0,4%. No ranking do número de beneficiários, porém, o Sudeste (64,1%) permanece líder, seguido pelas regiões Nordeste (13,5%), Sul (13,4%), Centro-Oeste(5,5%) e Norte (3,6%).
 
Todos esses dados constam no Boletim de Indicadores Econômicos e Financeiros da FenaSaúde, divulgado na terça-feira, 26 de fevereiro, em São Paulo. Além das informações relativas à movimentação dos planos, o levantamento apresenta também pesquisas sobre as finanças do segmento de Saúde Suplementar. Uma das análises aponta que, no período compreendido entre setembro de 2011 e o mesmo mês de 2012, as receitas de contraprestações – aquelas obtidas por meio de mensalidades – cresceram 18,5%. No mesmo intervalo, as despesas assistenciais das operadoras associadas à FenaSaúde, como gastos com próteses e serviços médico-hospitalares, aumentaram 20,7%. O aumento dessas despesas se reflete na elevação das reservas técnicas das operadoras de saúde, recursos estes que são fundamentais não só para o cumprimento de seus compromissos, como também para o financiamento de investimentos. No terceiro trimestre de 2012, a reserva constituída pelas operadoras associadas à FenaSaúde alcançou R$ 9,5 bilhões, com crescimento de 21,4% em relação a igual trimestre de 2011.