Índice de Satisfação do Consumidor fecha março com 53,9%

Monitor Mercantil - 16/04/2012

Medido pela ESPM e criado pelo professor pesquisador da escola e global chief digital officer da Rapp, Ricardo Pomeranz, o Índice Nacional de Satisfação do Consumidor completa um ano com novidades: a ampliação do número de setores - de 10 para 16 - e empresas pesquisadas - de 43 para 64. Passam a integrar o estudo os segmentos de vestuário (Renner, Riachuelo, Marisa e Lojas Colombo), seguradoras (Itauseg, Porto Seguro, Bradesco Auto e Mapfre), telefonia fixa (Telefônica, Telemar, Brasil Telecom e Embratel), convênios médicos (Unimed, Amil, Intermédica e Golden Cross), aviação (Tam, Gol, Trip e Avianca) e indústria digital (HP, LG, Itautec e Positivo).

Com os novos setores, o INSC fechou março com 53,9%, mantendo-se estável em relação ao mês anterior (54%). Os índices dos novos setores foram de vestuário (com 73,5% de satisfação), telefonia fixa (33%, o índice mais baixo dos 16 pesquisados), indústria digital (com 62,9%), seguradoras (65,7%), convênios médicos (52,2%) e aviação (61,4%).

Os setores já pesquisados registraram índices de: lojas de departamento (61,1%, alta de 1,1 ponto percentual), supermercados (72,1%, alta de 1,5 ponto percentual), bancos (42,1%, alta de 1,6 ponto percentual), Telecom (36,5%, queda de 2,5 pontos percentuais), indústria automobilística (55,1%, alta de 3,4 pontos percentuais), bebidas (83,9%, queda de 1,2 ponto percentual), personal care (77,9%, alta de 5,1 pontos percentuais, a maior do período), alimentos (74,8%, alta de 0,6 ponto percentual), eletroeletrônicos (63,3%, alta de quatro pontos percentuais) e indústria farmacêutica (63,1%, queda de 3,8 pontos percentuais).

O INSC tem modelo inédito de utilizar as redes sociais para coletar dados, mensurando as expressões, colhidas na web, de acordo com três pilares - qualidade percebida de produtos e serviços, expectativa do consumidor e valor percebido. Juntas, as companhias representam 19,5% do PIB brasileiro.

Primeiro e único indicador brasileiro totalmente elaborado com dados levantados na internet, o INSC analisou, em março, 64 grupos empresariais de 16 setores da economia: Carrefour, Pão de Açúcar, Walmart, Zaffari, Casas Bahia, Lojas Americanas, Magazine Luiza, Ponto Frio, Renner, Riachuelo, Marisa, Lojas Colombo, Volkswagen, GM, Fiat, Ford, Whirpool, Samsung, Electrolux, Nokia, HP, Itautec, LG, Positivo, Natura, J&J, Avon, Kimberly-Clark, Ambev, Coca-Cola, Pepsico, Schincariol, Brasil Foods, Nestlé, Kraft Foods, Yoki Alimentos, Itaú-Unibanco, Bradesco, Santander, Banco do Brasil, Itauseg, Porto Seguro, Bradesco Auto, Mapfre, Vivo, Tim, Claro, Oi, Telefônica, Telemar, Brasil Telecom, Embratel, Pfizer, Novartis, Roche, Sanofi-Aventis, Unimed, Amil, Intermedica, Golden Cross, Tam, Gol, Trip e Avianca.